Redes sociais – Colaboração e evolução para todos

Em junho, fui convidado pela Sociedade Brasileira de Administração em Oftalmologia para escrever um artigo que englobasse os temas redes sociais e saúde. Acrescentei o tempero “colaboração” pra dar um gostinho especial ao molho. Como a revista é restrita aos associados, reproduzo o artigo aqui no blog. Agradeço a especial ajuda do meu querido amigo Cristiano Santos, o @cristianoweb, que me ajudou a enriquecer o artigo com a história do seu filho Nicolas.

Sempre que me pedem para pensar, escrever ou palestrar sobre redes sociais,gosto de lembrar  o amor romântico. Aquele que colocava a mulher em um pedestal,bem longe do alcance daquele  que a desejava. Para demonstrar seu amor, o romântico dedicava várias linhas e versos ao  objeto de sua admiração, porém jamais conseguia chegar perto da sua amada. Enfim, ela não  tinha como saber o quanto era desejada, nem o quanto seu admirador a queria.

A relação entre consumidores e marcas tem muito a ver com o berço do romantismo. Da mesma forma que os poetas românticos amavam platonicamente, sem que suas amadas soubessem dos  seus sentimentos, as marcas, as empresas, as instituições em geral, até pouco tempo, não conheciam e nem mesmo se interessavam por aqueles que dedicavam comunidades, blogs e fóruns de discussões a elas. Hoje, em dia, esse cenário está mudando, com o crescimento e adesão de mais pessoas ao fenômeno das redes e mídias sociais.

Esse aumento do número de usuários às novas mídias forçou a descida das empresas de seus pedestais. Podemos dizer que o desenvolvimento da internet e das redes promoveu uma horizontalização na forma de diálogo entre quem provê um serviço ou produto e quem os consome. O que deve ser destacado nesse processo é o sentido de colaboração que as mídias  digitais proporcionaram a consumidores e profissionais.

É como se essa vontade, essa latência já estivesse presente em nós – afinal redes sociais não acontecem somente na internet; todos nós fazemos parte delas desde o início de nossas vidas -, mas não tivesse uma válvula de escape que a fizesse acontecer.

Colaboração é a chave

Entretanto, quando se fala em redes sociais, logo vem à cabeça a ideia de que um diálogo é  estabelecido, ou seja, todos passamos a ter opinião. Hoje, todos nós somos mídias. E, se o assunto é saúde, todo cuidado é pouco. O recente caso de boatos sobre a vacina contra a gripe H1N1, que se espalhou pelo Twitter e teve os e-mails do tipo spam como grande disseminadores de informações equivocadas, provocou o não comparecimento de muitas pessoas aos postos de vacinação. Isso demonstra que é cada vez maior a necessidade de um monitoramento do que é dito nos ambientes digitais por parte dos governos, para evitar que fatos como esse voltem a ocorrer. Felizmente, temos outros bons exemplos do uso das redes, como empresas farmacêuticas que investem em estratégias online e o nosso próprio Ministério da Saúde, que hoje além do Twitter (mídia social de comunicação rápida, com textos de até 140 caracteres), Orkut (ainda a maior rede social no Brasil), Facebook (o mais recente fenômeno das redes sociais), Flickr (redesocial para fotos) e YouTube (mídia social para vídeos), conta com uma ferramenta social para responder às duvidas dos cidadãos: o Formspring.

Além do aspecto colaborativo das novas mídias, o fator emocional não pode ser deixado de lado. Muita gente pôde encontrar um caminho para tentar resolver questões práticas ou muito mais complexas graças ao contato online com outras pessoas, que passaram por situações semelhantes. Uma vez, em um evento sobre internet, ouvi o relato de um consumidor que achou a solução para o volume de sua televisão no Orkut – um plástico colocado pelo fabricante dentro da caixa de som impedia que o som se propagasse corretamente. Vai entender!

No tocante a questões relacionadas à saúde, um dos casos mais emocionantes que conheço é do designer Cristiano Santos, autor do blog “Eu tenho um filho especial”. Cristiano e a esposa encontraram nas redes sociais a força para lidar com a deficiência do filho Nicolas. Foi no Orkut que eles descobriram pais que conviviam com filhos que apresentavam o mesmo problema: a síndrome de Asperger, uma espécie de autismo. Hoje, Cristiano é uma referência para pais que o procuram na esperança de entender melhor essa síndrome e de como agir com seus filhos perante esse problema.

Acredito que mais instituições médicas deveriam criar seus ambientes online e participar mais das conversas que rolam pela internet. Isso promoveria uma aproximação maior e super vantajosa entre profissionais e pacientes. É claro que o papel dos médicos e demais profissionais de saúde nunca será substituído por diagnósticos online. O olho no olho, o carinho do médico com seu paciente é uma relação que deve existir sempre. O importante a ser lembrado é que o fundamental do relacionamento das instituições com consumidores nas redes sociais é a diminuição do tempo de resposta. Aliar as mídias digitais a uma nova postura dos profissionais de saúde pode ser o início de um novo relacionamento colaborativo, que poderá ser extremamente benéfico. Imagine o meu amigo Cristiano, tendo que obter informações sobre o problema do Nicolas, sem a ajuda das redes sociais? Que novos tempos venham e mais pessoas sejam ajudadas por esse horizonte que surge na internet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>