Latências e marketing viral

Recentemente, em uma reunião com um cliente, ouvi aquele já tradicional pedido quando se pensa em uma estratégia de mídias sociais: “quero criar um viral”. Essa frase sempre me deixa intrigado porque, na minha opinião, virais são coisas que acontecem. E para que eles existam é necessário um ambiente que propicie esse fenômeno.

Eu comparo um viral a uma pessoa dando milho aos pombos de uma praça. Antes de jogar o milho (o viral), ela procura saber se há pombos (gente que se interessaria pelo viral). E se há pombos, eles vão à pessoa motivados pelos outros pombos, que chegaram antes, ou seja, a informação de que ali há alimento é passada de um a um.

Em mídias sociais, se não há pombos, não há viral. Acredito que os virais aconteçam por diversas razões, mas a principal delas pra mim é  a motivação. Pessoas precisam ser motivadas por alguém ou algo para que um grupo seja formado. Isso acontece na nossa vida offline, também. Esse é um conceito simples, que mostra o poder das novas mídias.

Quando penso em uma estratégia para redes sociais, gosto de imaginar o que motiva as pessoas. O que as faz se interessar por uma ideia. O que as faria passar essa ideia à frente. Aprendi que as ideias  que pegam são aquelas que são favorecidas por uma latência, uma vontade de ter algo que ainda não se conhece. Gutenberg fez isso com o livro impresso, ajudando Lutero a motivar pessoas a pensar por si próprias. Steve Jobs é o pai da matéria no nosso tempo. Esses caras souberam entender o que move alguém. Isso me faz lembrar da frase atribuída a Henry Ford, quando ele desenvolveu a ideia do primeiro carro. “Se eu perguntasse às pessoas o que elas queriam, responderiam: cavalos mais rápidos”.

4 ideias sobre “Latências e marketing viral

  1. Fábio Carvalho Autor do post

    Xande,
    o vídeo pode não ser um viral, mas o que acontece nele é. Isso é que é interessante. A motivação surge e é passada de uma pessoa a outra. É o milho jogado onde há pombos.
    Adorei o vídeo. #RIMUITO
    Valeu pela visita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>