Arquivos da categoria: Facebook

To link or not to link?

Uma decisão polêmica das Organizações Globo provocou discussões em sites e redes sociais essa semana: a retirada dos links para os sites da empresa, das páginas do Facebook. Tenho uma opinião sobre isso, mas prefiro não influenciar o seu pensamento. Para ajudar você a chegar a uma conclusão, resolvi fazer um teste.

Como gosto muito dos conteúdos da revista Época Negócios, decidi usar a página da revista no Facebook para fazer esse teste. Após acessar a página no Facebook, resolvi escolher um post recente, mas que não fosse o mais recente para verificar a relação entre o que é postado no Facebook e o que é destaque no site.

Faça como Sherlock Holmes. Sim, agora temos que fazer com um detetive para encontrar o conteúdo indicado na página do Facebook.

teste epoca negocios 1
Imagem retirada da página da
Época Negócios, no Facebook (editado)

Como diz o post, “Veja em nosso site”, fui lá achar (sim, achar) a matéria no site. O mais interessante é que, antes de chegar ao conteúdo escolhido, você deve acessar o site da Época Negócios. As opções são usar o Google ou digitar (repito) digitar a URL, o endereço do site da revista.

Quanto tempo leva?

Como sou experiente em internet, não levei mais que 5 segundos para acessar o site da Época Negócios, mas imagine um usuário menos acostumado com a web, ou aquele que só acessa sites via link e nem se preocupa em digitar uma URL ou usar o Google?

Encontrando o conteúdo no site

Ok! Estamos no site. Agora, o próximo passo é achar o conteúdo relacionado à maneira Sherlock Holmes de resolver problemas. Aí, começa um fenômeno interessante: de cara, não dá pra achar o que se procura, ou seja, a matéria não está mais na home (talvez, nunca tenha estado). Como dizia um grande professor meu na faculdade, “editor é aquele que edita”.

Há novas matérias na página inicial do site. Lembra que eu disse que a Época Negócios tem ótimas matérias? Então, você começa a ler a página e vai encontrando outras coisas interessantes para ler. Lembra o conteúdo que queríamos achar, vindo do Facebook? “Te peguei”, hein!

Mas, onde está o que eu queria?

Definitivamente, não está na página inicial. Então, vamos à busca. Opa! Usando como palavra-chave na busca “Sherlock Holmes”, eu encontrei o conteúdo. Agora é só clicar e correr pro abraço. Fica aqui a dica de o site da Época Negócios ser bem tagueado, o que me permitiu encontrar a matéria. Você investe na otimização do seu site?

No total, quanto tempo foi necessário para achar a matéria?

Em média, cerca de um minuto para encontrar um simples conteúdo em um site. Redes sociais ajudam muito a entregar aquilo que se quer mais rapidamente. Na prática, elas diminuem o tempo de resposta ao consumidor. Então, por que não fazer do seu consumidor um Sherlock Holmes, sem oferecer essa facilidade a quem gosta do que você produz?

E você, o que pensa sobre isso? Acho que você já entendeu o que eu penso, né? Dê a sua opinião nos comentários ou em qualquer lugar que quiser me achar nas interwebs. Afinal, depois de te dizer tudo isso, tenho que ser o mais rápido na resposta ao seu pensamento.

Atualizando: vale dizer que no Google+ e no Twitter os links permanecem.

Pinterest - logo - MeEmblogando

Pinterest – Será essa a grande aposta de 2012?

Há duas semanas, criei meu perfil no Pinterest, uma “nova” rede social que se baseia em imagens que recebem “pins” (algo como marcadores, em português). Esses marcadores são para demostrar que você tem interesse por um determinado tema (o site já oferece um número de “boards” padrão). Daí, o “interest”, que forma o nome Pinterest. De cara, eu gostei da ideia, mas será que o Pinterest vai ser o grande nome das interwebs em 2012? Antes de responder essa pergunta, acho que vale a pena abordar o caminho que uma nova rede social leva para chegar aos usuários.

Early adopters (aqueles usuários mais antenados, criadores de tendência) criam seus perfis e experimentam os novos ambientes. Se aprovados, esse vanguardistas digitais podem até virar embaixadores das novas redes sociais. Meu exemplo é o Google+, que a cada dia cresce mais no meu conceito e é sempre comentado por mim quando alguém se diz insatisfeito com a falta de privacidade do Facebook. Depois dos “early adopters”, vêm os outros usuários das redes, motivados ou indicados pelos vanguardistas.

Lançado há pouco mais de dois anos, só agora o Pinterest desponta no universo das mídias sociais. O interessante é que com o mínimo de esforço, você pode conseguir o máximo de retorno no Pinterest. Como o conteúdo na web é quase infinito, tudo o que você tem a fazer é marcar imagens ou vídeos com seus pins – já existem extensões da rede para Chrome e Firefox – e reblogar esses conteúdos em seus “boards”, áreas delimitadas para cada tema. Você pode também dar um “repin” em algo que tenha gostado na rede e fazer seus comentários sobre cada conteúdo, semelhante ao que acontece em outras redes.

O que percebo é que empresas cujos negócios permitem uma experiência visual para os consumidores têm muito a ganhar com o Pinterest. A Tecnisa, uma das pioneiras na presença em redes sociais no Brasil, já criou seu perfil na rede e mostra imóveis decorados, entre outros produtos. Mark Zuckerberg também tem perfil no Pinterest. Será que ele quer abocanhar uma fatia da nova rede? Li nesse post da Proxxima que o interesse do dono do Facebook se deu pelo sistema de login do Pinterest, que é integrado à rede de Zuckerberg. Vejo também que hotéis, pousadas, restaurantes e bares temáticos, galerias de arte e empresas de arquitetura e design podem se aproveitar da rede para criar perfis. Se você tem boas imagens para mostrar, o Pinterest pode ser o seu lugar. Pense nisso na hora em que pensar em um novo espaço para divulgar o seu negócio.

Pinterest Tecnisa - MeEmblogando

O movimento das redes sociais é muito dinãmico e o Pinterest pode ser a grande aposta do ano, mas é sempre cedo para previsões. O fato é que a rede tem grande apelo entre as mulheres, pois moda, decoração e artes são temas recorrentes nos “boards” que sigo, além de dicas de livros. Essa pode ser uma boa para o projeto Bons Livros para Ler, do qual participo.

Vamos aguardar e ver o que o Pinterest vai trazer para os usuários. Buzz, a rede já conseguiu. Agora é hora de ganhar sustentação.

Retrospectiva 2011

Retrospectivas são sempre retrospectivas. Por isso, vamos ao que de melhor aconteceu aqui no blog em 2011. Esse ano vai ser marcado pela chegada definitiva do Facebook ao Brasil e o aparecimento do Google Plus. A plataforma de distribuição de conteúdo do Google que promete “imitar” a forma como nos relacionamos com as pessoas na vida real. Mas, teve mais aqui no Me Emblogando. Confere aí!

Foursquare

O post sobre o uso do Foursquare para empresas foi uma dos mais lidos no blog e também um dos que mais me deixou feliz esse ano. Muitos profissionais de hotelaria despertaram para essa possibilidade de relacionamento com seus clientes e me enviaram e-mails pedindo contato com o Foursquare.

Miso

Na linha do Foursquare, mas com checki-ins televisivos, o Miso apareceu e mereceu um post aqui no blog. Hoje, confesso que uso mais o Get Glue, mas essa ideia de dar check-ins em atrações, seja na TV ou em um cinema é muito válida.

A polêmica promoção do Camiseteria

É pública a minha admiração pelo trabalho do Camiseteria. Mas, esse ano, na minha opinião a empresa pisou feio na bola, canibalizando uma promoção que rolava em outro blog e distribuia prêmios de uma marca concorrente. Se você quer mais detalhes dessa história toda – a discussão foi para até no Facebook – dá uma lida no post e me diga o que acha.

Um papo sobre música e mídias sociais

Ainda esse ano, entrevistei aqui o líder da banda Bleffe, Christian Garcia. Na ocasião, falamos sobre a promoção que colocou fãs da banda (eu tô lá) na capa do CD dos caras. Christian é humilde e diz que está aprendendo sobre mídias sociais. Eu acho que ele bate um bolão e utiliza duas das armas mais poderosas do meio: a sinceridade e a relevância.

Mesmo que você não seja um grande, monitore o que falam sobre sua empresa

Outro post de razoável procura – esse mercado ainda deve evoluir nos próximos anos no Brasil – foi sobre dicas de monitoramento para pequenas e médias empresas. Nele, eu falo sobre ferramentas gratuitas que podem ajudar muito no relacionamento com consumidores, podendo mudar a forma como essas empresas se comunicam na web.

Redes sociais acordam para os pequenos e médios também

O Facebook lançou esse ano um programa de anúncios para pequenas e médias empresas. O Me Emblogando falou sobre isso. Apesar de as redes sociais serem realmente uma forte tendência no comércio online, lembro sempre a importância de ser dono do próprio conteúdo.

E chegou o Google+

Acredito muito no Google+ e na ideia de que ele será mais  que simplesmente um rede social. Tanto que fiz três posts sobre ele. O primeiro apresentando a rede a quem ainda não a conhecia(ce). O segundo, sobre dicas do Google Plus para empresas. E no terceiro eu falo sobre um hangout que participei com Chris Brogan, autor de um dos primeiros livros sobre o G+.

Quero desejar um grande 2012 pra você que leu um post aqui, ou enviou um link do Me Emblogando a um amigo, ou me retwittou em algum momento. Que no ano que vem os CEO’s estejam mais atentos às redes sociais ainda. A prova de que isso dá certo foi o Prêmio Aberje 2011 vencido pelo case do MetrôRio. Diminuir o tempo de resposta ao cliente é meio caminho para melhorar o relacionamento, ganhar a confiança do consumidor e vender mais.

Te vejo em 2012.

Feliz Ano Novo!

 

Como o Facebook pretende conquistar as pequenas empresas

No último post, falei sobre as vantagens que as pequenas e médias empresas têm sobre os concorrentes, quando decidem monitorar as redes sociais para saber o que seus consumidores estão dizendo. Agora é hora de saber como as redes sociais podem atrair pessoas para comprar com você. Afinal de contas, a propaganda é a alma do negócio.

Uma possibilidade de divulgação para pequenos e médios é oferecida pelo Facebook: créditos – oferecidos gratuitamente -, para anunciar um negócio na maior rede social do mundo. A oportunidade parece boa também para os brasileiros, já que o Facebook, segundo o Ibope, ultrapassou o Orkut em volume de tráfego no Brasil.

De acordo com a Chefe de Operações do Facebook (COO), Sheryl Sandberg, a rede social de Mark Zuckerberg quer ver todos os pequenos e médios negócios anunciando seus produtos e serviços e não apenas criando páginas de fãs, que precisam em média de pelo menos 10 mil curtições para oferecer um alcance satisfatório de vendas a uma empresa.

“Meu sonho é realmente simples. Acho que todas as pequenas empresas devem usar o Facebook. Nós não vamos parar até que todos eles estejam usando (a rede social) para o crescimento de seus negócios”, disse Sandberg, 42, que antes trabalhava vice-presidente de vendas online para o Google.


Como funcionam anúncios para pequenos e médios no Facebook

Por enquanto lá fora, mas em breve no Brasil também, o Facebook planeja oferecer $50,00 em créditos de publicidade (anúncios online) para até 200 mil pequenas empresas. Quando um anúncio for clicado, serão cobrados valores que podem variar entre 5 a 25 centavos. Os primeiros $50,00 serão pagos pelo Facebook.

Vantagens

Segundo Sandberg, os créditos podem ter um ótimo alcance para as pequenas e médias empresas. “Por US $ 50, a maioria dessas empresas pode atingir seu público-alvo de forma rápida e efetiva, podendo assim crescer os seus negócios com essa ferramenta. Com o Facebook, as empresas podem direcionar seus anúncios pagos com uma precisão não encontrada na maioria das outras formas de propaganda”.

Pensando de modo prático, um fotógrafo de casamentos, por exemplo, poderia anunciar apenas para mulheres, de um CEP específico, listadas no Facebook. Uma locadora de filmes poderia falar apenas para fãs de cinema em São Paulo etc.

De fato, o uso do Facebook por pequenas e médias empresas pode ser muito lucrativo uma vez que a página pode se tornar uma espécie de “site”. Nesse caso, eu sempre aconselho a criação de um blog próprio da empresa para que você tenha sempre o conteúdo do seu negócio nas mãos e a utilização do Facebook como catalisador de vendas.

A estratégia do Facebook para ganhar os pequenos e médios é bem interessante. Enquanto o Google não apresenta a sua versão para empresas, o Facebook pode ser uma saída para aqueles que não têm muito dinheiro para investir em anúncios  e precisam atingir uma audiência específica.

Se você quer criar uma página para a sua empresa no Facebook, mas não sabe como, talvez esse blog possa ajudar.

Informações para a produção desse post: USA Today.com

Uma dica: seja dono do seu conteúdo

Outro dia me perguntaram o que eu acho sobre empresas que transformam seus sites em páginas do Facebook ou canais do YouTube. Minha resposta foi: seja dono do seu conteúdo. Tenha o seu blog ou site – de preferência com domínio próprio -, e dê ao seu conteúdo um porto seguro.

Antes que me condenem, quero deixar claro que não minimizo o valor das redes sociais e jamais faria isso, pois acredito no valor e engajamento que elas podem propiciar a uma marca. O que digo é que, quando a casa não é totalmente nossa, estamos sujeitos a mudanças de regras repentinas, que podem derrubar um planejamento de marketing digital, por exemplo.

Para ilustrar minha opinião, recorro a uma história que aconteceu com Albert Einstein. Certa vez ele foi convidado a uma festa, que exigia traje formal: paletó ou casaca, como queiram. O grande Einstein não estava de paletó e foi impedido de entrar na festa. Ele foi para casa, voltou com o paletó e conseguiu entrar. Quando parou em frente ao buffet, começou a se servir. Só que ele não colocava os alimentos no prato e sim nos bolsos do paletó.  Como o julgavam excêntrico (maluco mesmo), resolveram perguntar porque ele estava fazendo aquilo. Einstein respondeu que não tinha sido convidado para festa. O convidado era o paletó. Genial, né? Imagine se você transformar seu site em uma página de Facebook ou outra rede social e o Zuckerberg exigir um paletó novo para você entrar na festa. A quem você vai pedir emprestado?

Apesar de curioso, o exemplo dá uma ideia do que pode acontecer com o seu conteúdo. Facebook e outras redes sociais mudam suas regras de privacidade, promoção e publicidade constantemente e quem coloca todos os seus ovos em uma só cesta corre o risco de perdê-los de uma vez.

Vantagens de ter seu conteúdo guardado no seu site/blog:

  • Layout próprio, que pode ser alterado quando você quiser.
  • Programação não está sujeita a mudanças de uma hora pra outra
  • O servidor é seu. Você não depende de alguém pra ter sua página rodando
  • E se o Google ou o Zuckeberg pirarem e resolverem parar com a brincadeira?

Por isso, se você e sua empresa produzem conteúdo e pretendem fazer dele uma poderosa arma de marketing, dê uma casa própria a ele. Viver só de “aluguel” pode ser arriscado.